2019-07-31

Uma conversa sobre a vida a dois



Mesmo observando o óbvio na vida de muitos casais, a pergunta dirigida a uma amiga casada há um bom tempo foi essa: qual a sua relação com as falhas do seu esposo? No que me respondeu: “Umas eu já às vi antes de casar, algumas se intensificaram e outras surgiram!” Foram desafios que tenho superado sempre na nossa vida. Apesar disso eu o acolho, o amo e sou feliz por nossa união.

Conversamos sobre a relação de casados e tive a oportunidade de aprender muito. Constatei que ele a ama e é feliz com o casamento, mesmo com todas as suas limitações humanas, as quais, muitas delas, seriam resolvidas se houvesse uma pessoa mais conectada com seu mundo interior e na relação com o cônjuge. Disse-me a amiga, inclusive sorrindo: “Antes eu dizia pra ele que estava com frio e então me abraçava! Hoje digo o mesmo e ele manda eu me enrolar!”

Foi muito legal a nossa conversa, a troca confiante e respeitosa de confidências e a satisfação por termos a certeza de que as pessoas não são perfeitas, muito menos os relacionamentos, sobretudo as uniões estáveis. É diverso o universo da vida afetiva, conjugal, na qual está envolvido alegrias e tristezas, dores, sofrimentos e superações. Conheço muitas histórias reais e gosto de conversar e perguntar às pessoas que tenho confiança sobre a arte de viver a dois. Deus abençoe cada vida conjugada, cada passo dos que desejam chegar lá e dos que precisam recomeçar!

Por: Marcos

2019-07-30

Viralizemos a força extraordinária do amor



Costumamos dar muita ênfase ao negativo, viralizar as más notícias da internet (ou não), comentar os fatos ruins, querer ver o horrível e acostumar-se com o anormal. O que não nos damos conta é que isso é um veneno para a mente, o corpo e nossa dimensão espiritual. Até mesmo as pessoas que trabalham e prestam serviço ao trágico o fazem de forma que procuram neutralizar os efeitos em si, preservando a compaixão e a solidariedade. Por trás da situação existe uma pessoa, sentimentos, dor e a necessidade, irrenunciável, de respeito.

Em dias midiáticos como os nossos curtir, comentar e compartilhar o horrível parece que viraram moda, infelizmente. Sinaliza o inconsciente: posso até ajudar, mas isso está em segundo plano, primeiro preciso filmar (registrar no celular), ter a notícia original para os contatos, ser alguém a noticiar a surpresa e a novidade. Por outro lado nos debruçamos sobre isso e o tratamos como algo normal, banal. Considero trágica a maneira como tratamos nossos sentimentos e nossa sensibilidade humana.

Aos cristãos e aos homens de boa vontade há a necessidade urgente de nos humanizarmos e não perdemos o bom senso, a ética, a justiça e o amor. Cuidemos de nossos sentidos, cultivemos o que edifica e viralizemos a força extraordinária do amor!

Por: Antonio Marcos

2019-07-29

Não se faça em mim motivo de condenação



Na Eucaristia de 28 de julho, na Catedral de Fortaleza, pelo 17º Domingo do TC (Ano C/2019), duas situações me chamaram a atenção. A primeira, como de costume, as breves e eficazes palavras da homilia, proferida pelo Pe. Clairton Alexandrino, pároco. 

Disse o reverendo: “Abraão pediu, insistiu com Deus e perguntou-Lhe por 6x se Ele destruiria a Cidade de Sodoma caso houvesse uma determinada quantidade de justos lá presentes. "Não, por eles não destruirei!" Abraão não achou que teria direito de pedir e exigir aquilo de Deus, por isso fez com humildade, ciente de ser pó e cinza. Deus é justo e ver além, ver a nossa felicidade! Que seja feito o melhor para nós, não o que achamos que deva ser e o que queremos que seja. E, um detalhe muito importante, extraído da compreensão do texto: o justo não tem aqui e não terá no fim a mesma medida que os injustos. Portanto, onde quer que você esteja a marca do amor de Deus te faz ter uma medida diferente, e isso comporta uma missão e uma bênção, não esqueça!

A segunda coisa que me chamou a atenção foi a canção do ato litúrgico da comunhão, “venho Senhor”, da Banda Vida Reluz, lá do seu início, quando ainda tinha Walmir Alencar como vocalista.  A decisão é pessoal, consciente e cheia de fé de que ali é Deus e que algo acontece na minha vida. Se o desejo do homem é ver a face de Deus, naquele momento, reconciliados consigo, com o outro e com Deus cantamos: “E ao receber Teu Corpo e Sangue, Senhor, não se faça em mim motivo de condenação, mas se faça sim, Senhor, presença Tua em mim, és grande, ó meu Salvador!”

As canções desse CD imprimiram uma marca na minha vida! Portanto, aquele momento celebrativo marcou um reencontro, uma memória, e, sobretudo, um retorno. Deus tem um propósito para a nossa vida e Ele sabe nos dar coisas boas, se assim o pedirmos e se for a sua vontade. Aconteça o que acontecer o mais importante é que a comunhão com Deus seja reatada, pois somente n’Ele temos uma vida de sentido e felicidade verdadeira. Saí daquele templo cheio de gratidão!

Escute aqui a canção: https://youtu.be/k8Smqd8dC-4

Por: Antonio Marcos


2019-07-20

Nossa amizade e nossa história: gratidão!



No dia 20 de julho fazemos (o Brasil) a celebração feliz do Dia do Amigo. Dia especial de recordar,  fazer uma prece pelo amigo e agradecer a Deus pelas oportunidades, pelas convivências, pelos encontros e pelas descobertas, não obstante as vicissitudes da vida. 

A amizade traz um mundo de coisas boas ao coração dos amigos. Ela nasce de ocasiões inesperadas e pode até ser marcada pela distância e pelos desencontros na cotidianidade, mas, quando verdadeira e cultivada pela sempre alegria da acolhida e do carinho, a amizade se torna fecunda e gera frutos que permanecem. A amizade para muitos amigos tem uma história, na qual um dia viveram juntos, provaram da conquista e do amor recíproco e foram selados por um vínculo que permanece, não obstante o tempo e a distância. O amor venceu! Portanto, que a ingratidão nunca desfaça essa comunhão.

O filósofo Aristóteles dizia que o "amor parece ser a virtude dos amigos". Creio que ele tinha razão. Mas também chegou a dizer que "não se deve escolher um amigo como quem escolhe o que vestir". A amizade é uma conquista que exige reciprocidade, liberdade e confiança! Bem, a amizade é mesmo um dom de Deus, uma árvore que proporciona sombra e descanso nos dias, seja qual for o tempo da vida. Ela é uma festa que torna a vida mais feliz. "Quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro", diz a Literatura Bíblica Sapiencial.

Feliz Dia do Amigo! Minhas preces!

Por: Antonio Marcos

2019-07-14

Fecharam a livraria: acabou a ERA DO PENSAMENTO


Pe. Zezinho fala da redução de leitores no Brasil: “Fecharam a livraria”. "Faliu por falta de leitores. Esta tarde voltei para casa muito triste. A internet não pode me dar o que os livros me deram ou darão!"

O pe. Zezinho compartilhou o seguinte “desabafo” sobre a queda de leitores e de leitura no Brasil, um fenômeno que aumenta há anos no país. Confira o que ele postou em sua página no Facebook:

Esta tarde voltei para casa muito triste. Fecharam a livraria onde eu comprava a maioria dos meus livros de cultura. Faliu por falta de leitores. Eu ia lá duas a três vezes por mês para comprar cultura!


Os 8% de leitores brasileiros e compradores de livros não conseguiram mantê-la. Um país que tem tão poucos leitores fatalmente verá jornais, revistas e livraria declararem falência. E terá poucos eleitores capazes de escolher seus representantes e governantes. Até porque também governantes e representantes do povo, também eles, infelizmente, quase não leem.

Não é que a ERA DO LIVRO acabou. Acabou a ERA DO PENSAMENTO. A mídia e as redes são IMEDIATISTAS. As livrarias e os leitores digerem muito melhor as informações que chegam a um povo. Quem não lê corre o risco de engolir o que jornalistas, cantores, artistas, entrevistadores e entrevistados e animadores de TV resumem naquela semana.

É o FAST FOOD do cérebro da multidão. Engolem a informação do dia e aceitam que gente famosa e políticos opinem por ela. Os livros oferecem mesas fartas de conhecimento milenar. São minas de ouro cheia de veios do saber. Por isso voltei triste. A internet não pode me dar o que os livros me deram ou darão!

Sou um ancião saudosista ou sou apenas um ancião realista que teima em pensar e fazer o povo pensar no passado e no futuro?

Pe. Zezinho


Fonte: Aleteia Brasil | 02/Jul/2019.

Vai e faze a mesma coisa



Na Liturgia da Missa do 15º Domingo do Tempo Comum (17/07) um Mestre da Lei pergunta a Jesus quem é o seu próximo, depois de citar o que diz a Lei acerca da salvação: “E quem é o meu próximo?”. Na verdade ele queria testar Jesus e foi surpreendido por uma história marcante e desconcertante, mas profundamente esclarecedora acerca do amor ao próximo (cf. Lc 10,25-37).

Três pessoas completamente diferentes, um Sacerdote, um Levita e e um Samaritano, porém, uma atitude fez toda a diferença: sair de si e fazer o bem a quem precisava, independente de quem fosse aquela pessoa.  Foi o que fez o Samaritano com aquele homem espancado. O bem veio justamente de quem era considerado impuro e pecador pelo Judeu, sobretudo pelos Mestres da Lei. Os outros, homens bons e de crença aceitável, foram indiferentes! Parece que isso diz muito para nós, sobretudo em nossos dias. O Mestre da Lei respondeu a Jesus: “o próximo foi aquele que usou de misericórdia para com ele”. “Vai e faze a mesma coisa”.

Incrível essa história! A dissociação que costumamos fazer entre a fé a vida nos desumaniza e nos brutaliza diante das necessidades dos outros. O simples e o óbvio da fé cristã ficam inoperantes na vida. Disse o Papa Francisco: “Não somos uma Igreja do dizer, mas do fazer!”. É isso, não adianta nos enchermos de piedade, cumprirmos nossas obrigações religiosas, dizermos que amamos a Deus, que somos pessoas de fé, mas, na concretude da vida agimos como se não fôssemos e, o pior, nem damos conta de que isso está errado. Deus nos dê a graça de sabermos nos fazer próximos de quem precisa, seja quem for. Isso não é apenas boa vontade, é a vida de quem crê e é graça de Deus.

Antonio Marcos
(Foto / arquivo pessoal: Paróquia Bom Jesus dos Aflitos, Parangaba, Fortaleza-Ce.)

2019-02-02

Perfeita Contradição: "Nem tudo que é não nos nega"


Preciso dizer que "Perfeita Contradição", canção da autoria do Pe. Fàbio de Melo, que tem a participação de Fagner, é uma das mais lindas poesias do artista. Uma letra carregada de sentido, de filosofia, teologia e de nossas experiências com a fé e o amor a Deus. Vale muito a pena refletir! (cf. Vídeo no Final do Texto)

Na dor da peleja há luz,
No riso tem lágrima
No adeus da saudade a voz que promete
Que em breve vai regressar

Na fé que eu já sei de cór
Tem dor que eu não sei rezar
Há verbo que adjetiva
Sujeito em perfeito amar

Nos dias que o tempo leva
Memórias que vão chegar
No avesso que não se mostra
Segredos pra se levar

Nem toda reza é santa
Nem todo escuro é breu
Nem toda beleza encanta
Nem tudo que tenho é meu

Nem todo amor nos ama
Nem todo ateu sem Deus
Nem tudo que não nos nega
Nem tudo que sou é meu

No céu do sertão tem mar
Na espera de renascer
No olhar sertanejo há sede de chuva
É crivo que clama ao céu

Na dor que eu já sei de cór
Na fé que não tem razão
Tem vértice no horizonte
Perfeita contradição

Nos dias que o tempo leva
Memórias que vão chegar
No avesso que não se mostra
Segredos pra se levar

Nem toda reza é santa
Nem todo escuro é breu
Nem toda beleza encanta
Nem tudo que tenho é meu

Nem todo amor nos ama
Nem todo ateu sem Deus
Nem tudo que não nos nega
Nem tudo que sou é meu

Nem toda reza é santa
Nem todo escuro é breu
Nem toda beleza encanta
Nem tudo que tenho é meu

Nem todo amor nos ama
Nem todo ateu sem Deus
Nem tudo que não nos nega
Nem tudo que sou é meu

Nem tudo que sou é meu
Nem tudo que sou é meu
Nem tudo que sou é meu
Nem tudo que sou é meu

Artista: Fábio de Melo
Artista em destaque:
Fagner
Álbum: Deus no Esconderijo do Verso
Data de lançamento: 2015

ACESSE O VÍDEO: Perfeita Contradição

2019-01-26

Mariana e Brumadinho: lama e lágrimas



 A foto da cadela nos ombros do bombeiro, emocionante e chocante, não diz respeito a Brumadinho – MG, por ocasião do rompimento da barragem da Vale (rejeitos de minério), no córrego do feijão, à tarde da sexta-feira, 25/1, ocasionando centenas de desaparecidos e mortes que já foram confirmadas. Porém, a foto diz respeito ao que aconteceu em Mariana (MG), há três anos (2015). Naquela ocasião foram confirmadas 19 mortes e grandes prejuízos, tendo repercussão nacional e internacional. Protestos no país foram feitos pedindo providências aos governantes.


Pois bem, a cadela se chamava Nina (11 anos) e foi resgatada por um bombeiro naquele lamaçal. Transportada nos ombros foi levada ao canino de Mariana, quando teve a oportunidade de encontrar o seu dono, o açougueiro Aguinaldo Pereira Gonçalves (que perdeu a propriedade e outros animais). Nina, diante do encontro, demonstrou uma mistura de sentimentos que podiam apenas ser decifrados pelo sorriso de Aguinaldo. A foto que voltou ao cenário nacional para novamente ilustrar a tragédia repetida em Brumadinho foi divulgada naquela ocasião pela agência de notícias Agence France-Presse (AFP).


 Uma nova tragédia – ou melhor, crime – aconteceu e grandes são as consequências. A Vale, que teve grandes lucros em sua ações em 2018, pouco fez pelo povo em Mariana. Irresponsabilidade, sobretudo, política que abranda tais crimes ambientais e humanos. Brumadinho chora mergulhada na lama, provocada pela irresponsabilidade da Vale. Os bombeiros estimam mais de 300 desaparecidos, sem contar os animais e todas as propriedades destruídas. Um crime sem tamanho!

 O Brasil cobra do Governo ações eficazes para acabar com a farra da destruição humana e ambiental por parte da Vale. Famílias, sonhos e projetos destruídos, o que nos entristece! Pedimos a Deus o consolo para os familiares da vítimas e a esperança para seguir adiante. Que essa tragédia não caia no esquecimento outra vez!

Por Antonio Marcos