“… a esperança não decepciona …”

Escrito Por Antonio Marcos na segunda-feira, dezembro 09, 2013 Sem Comentários
Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

Com o encerramento do ANO DA FÉ, vivido por toda a Igreja nas comemorações dos 50 anos do Concílio Vaticano II, nossa Arquidiocese de Fortaleza iniciou o ANO DA ESPERANÇA, no segundo ano do triênio de preparação para seu Jubileu Centenário em 2015.

Temos assim grande esperança que, como o Ano da Fé foi rico em renovação da vida cristã para a Igreja no mundo todo, o iniciado Ano da Esperança também o seja, em continuação, grande estímulo para novo entusiasmo na vida eclesial e na missão de nova evangelização, como a tem proposto o Santo Padre o Papa Francisco em sua mais recente Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, de 24 de novembro p.p.: “A ALEGRIA DO EVANGELHO enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria. Quero, com esta Exortação, dirigir-me aos fiéis cristãos a fim de os convidar para uma nova etapa evangelizadora marcada por esta alegria e indicar caminhos para o percurso da Igreja nos próximos anos.”(EG. 1)

A que ESPERANÇA somos chamados? O que esperamos de nosso encontro com o Evangelho? A que nos leva a FÉ? O que esperamos de nossa vida? E do mundo em que vivemos? E de tudo o que somos e temos?

Partimos do dom da Vida Divina em nós. Assim nos recorda o Catecismo da Igreja Católica, ao qual nos voltamos especialmente no Ano da Fé: “1813. As virtudes teologais fundamentam, animam e caracterizam o agir moral do cristão, Informam e vivificam todas as virtudes morais. São infundidas por Deus na alma dos fiéis para os tornar capazes de proceder como filhos seus e assim merecerem a vida eterna. São o penhor da presença e da ação do Espírito Santo nas faculdades do ser humano. São três as virtudes teologais: fé, esperança e caridade (Cf. 1 Cor 13, 13.)”.

E sobre a esperança encontramos riquíssima referência nas Sagradas Escrituras. No mesmo Catecismo assim encontramos: “1817. A esperança é a virtude teologal pela qual desejamos o Reino dos céus e a vida eterna como nossa felicidade, pondo toda a nossa confiança nas promessas de Cristo e apoiando-nos, não nas nossas forças, mas no socorro da graça do Espírito Santo. «Conservemos firmemente a esperança que professamos, pois Aquele que fez a promessa é fiel» (Heb 10, 23). «O Espírito Santo, que Ele derramou abundantemente sobre nós, por meio de Jesus Cristo nosso Salvador, para que, justificados pela sua graça, nos tornássemos, em esperança, herdeiros da vida eterna» (Tt 3, 6-7).”

Assim temos como lema neste ANO DA ESPERANÇA: “… a esperança não decepciona, pois o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.” (Rom 5,5.)
A alegria será contínuo fruto da presença do Espírito em nossos corações. Esta presença é o dom divino vindo do Pai em Jesus. Ele é derramado continuamente nos corações humanos. Esta é a causa da Alegria do Evangelho (Evangelii Gaudium). Para que tivéssemos a perfeita alegria foi que Ele veio a nós.

Estamos vivendo novamente na celebração litúrgica da Igreja o tempo especial, tempo de graça da vinda do Senhor. A recordação de sua vinda na carne humana – Festa do Natal – prolonga-se e aprofunda-se no encontro pessoal com o Senhor Jesus que vem, vem a nós, a cada um de nós que o encontramos pelo Seu Evangelho, pelo Dom do Espírito, pela Vida nova que a nós é dada na Fé, buscada na Esperança e vivida na Caridade.

A vida de Deus em nós é comunicação e partilha. Vivemos neste mesmo tempo eclesial a CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO. Ela nos chama a uma verdadeira conversão. Sua coleta de comunhão de todos pelo anúncio do Evangelho ocorre no Terceiro Domingo do Advento – neste ano 15 de dezembro.

Como muitas vezes nos tem recordado o Papa Francisco: “Mas, atenção! Jesus não disse: se vocês quiserem, se tiverem tempo, vão; mas disse: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações». Partilhar a experiência da fé, testemunhar a fé, anunciar o Evangelho é o mandato que o Senhor confia a toda a Igreja, também a você. É uma ordem, sim; mas não nasce da vontade de domínio, da vontade de poder. Nasce da força do amor, do fato que Jesus foi quem veio primeiro para junto de nós e não nos deu somente um pouco de Si, mas se deu por inteiro, Ele deu a sua vida para nos salvar e mostrar o amor e a misericórdia de Deus. Jesus não nos trata como escravos, mas como pessoas livres, como amigos, como irmãos; e não somente nos envia, mas nos acompanha, está sempre junto de nós nesta missão de amor.” (JMJ – Rio 2013 – Missa final)

Nesta Esperança, na plena Alegria do Evangelho, quero rezar por todos, pelas bênçãos de Deus, e lhes fazer os votos de Santo Advento, Feliz Natal, Abençoado Ano 2014.

Fonte: Arquidiocese de Fortaleza, 6 de dezembro de 2013.