Eterna gratidão ao papa Bento XVI

Escrito Por Antonio Marcos na segunda-feira, fevereiro 11, 2013 Sem Comentários


A notícia da renúncia do Santo Padre, anunciada por ele para o dia 28 de fevereiro, surpreendeu a todos, sem dúvidas, sobretudo a Igreja do Brasil que o esperava aqui para celebrar a JMJ nos próximos meses. O carinho e o amor que a Juventude do Brasil criou por Bento XVI já era de tal modo sem medidas. Porém, apesar dessa notícia inesperada, somos pessoas de fé, confiamos em Deus e na sua providência.

Particularmente achei um ato de muita coragem e humildade de Bento XVI, que reconheceu diante de Deus que suas forças estavam minguando e já não era possível continuar à frente da Barca de Pedro. Os desafios são enormes e o papa precisa de disposições mentais, espirituais e também físicas. No final do pontificado de João Paulo II, Beato, a Igreja e o mundo se surpreenderam por sua decisão de viver o pontificado no seu direito vitalício, pois estava lúcido e consciente da missão. Bento XVI, amparado pela Lei Canônica, e dentro do mais sincero ato de liberdade e consciência, toma a decisão de renunciar.

Bento XVI deixou bem claro na sua carta de renúncia da gravidade da decisão, mas a toma com a graça de Deus pelo bem da Igreja e da missão do Evangelho. O papa Ratzinger é profeta de nossos dias e tem consciência que o “homem não é o autor da própria vocação”, mas qualquer chamado para servir ao povo é dom de Deus. No seu livro-entrevista com Peter Seewald, 2011, deixou claro admitir que em “algum momento em que o pontífice se encontrar sem condições físicas, mentais e espirituais de exercer o encargo que lhe foi confiado, tem o direito e o dever de pedir demissão” (Capítulo 2).

Minha gratidão ao papa Bento XVI que também foi até o fim na sua missão porque Deus é quem sabe a hora do início e do término. Sua coragem, profecia, amor, doação, sabedoria e humildade marcaram a vida da Igreja e a minha particularmente. Renunciar o pontificado consciente de que Deus é o autor da vocação e que lhe confere permissão e graça, isso é o suficiente pra gente ficar consolado, não obstante a dor. Minhas orações! Deus é fiel. Eterna gratidão ao papa Bento XVI.

Antonio Marcos