2012-12-26

Rezar pelos perseguidores pede adesão do coração a Deus



Voltar a rascunhar as minhas partilhas no exato dia em que a Igreja – dentro do Ciclo do Natal – celebra a memória litúrgica do Diácono e Protomártir, santo Estêvão (26 de dezembro), protótipo cristão da oração aos inimigos, certamente não me é tão confortável, mas assim Deus permite porque a superação em Deus da perseguição nos abre o entendimento e o coração para muitas outras realidades. A experiência da cruz e da ressurreição no tocante à experiência de fé nos transforma, nos faz homens e mulheres novas.

Assim reza a Igreja na Oração do Dia: “Ensinai-nos, ó Deus, a imitar o que celebramos, amando os nossos inimigos, pois festejamos santo Estêvão, vosso primeiro mártir, que soube rezar por seus perseguidores. Por nosso Senhor Jesus Cristo...”. Rezar pelos nossos perseguidores não é tarefa fácil, bem sabemos, sobretudo quando a injustiça parece bater em nossa face, desafiando os nossos melhores sentimentos e virtudes, contrariando os nossos esforços para sermos melhores. Rezar pelos perseguidores pede adesão do coração a Deus, pede equilíbrio interior e a capacidade de reflexão, de repensar os nossos atos e frear os impulsos. A revanche satisfaz temporariamente o nosso ego, mas esmaga a oportunidade de “juntar brasas sobre a cabeça do outro”, ou seja, de contrariar-lhe o mal fazendo o bem, ou simplesmente silenciando serenamente o coração, evitando a divisão, o ódio, os partidos, evitando o pouco exercício do coração para amar e perdoar.

Os nossos diversos ambientes estão povoados de “perseguidores silenciosos”, de gente que vive afogada na mentira, na inveja, nas fofocas, mostrando-se pobres de espírito, mesquinhas, ridículas até. A vida e o testemunho de santo Estêvão nos enriquecem, mostram exatamente o contrário das atitudes do poderoso Herodes. “Dai-nos, Senhor, a graça de imitar o que celebramos”, eis o nosso pedido, sobretudo diante dos nossos perseguidores. O Espírito Santo nos cumule de sabedoria e fortaleza diante dos nossos inimigos. Deus é fiel, seu amor é socorro, seu Natal é renovação de que a luz vence as trevas.

Santo Estêvão, rogai por nós!


Marcos de Aquino

0 comentários:

Postar um comentário