Diante da Cruz... Páscoa aos indefesos

Escrito Por Antonio Marcos na quarta-feira, abril 11, 2012 Sem Comentários
O gesto de se inclinar diante da cruz de Cristo e rezar, ser apoiado pela intercessão de alguém, confiar-se aos cuidados de quem pode rogar por nós, mais que ato religioso, é necessidade vital. Sim, a vida dos indefesos precisa de nossa oração. Como também as mamães e papais dessas vidas. E não será uma “derrota” que deve nos desanimar, caso venhamos perder esta batalha. A vida e seus valores fundamentais no Brasil estão correndo graves riscos.  Bonito o gesto da Igreja do Brasil em convocar os seus filhos para se colocarem em intercessão pela vida dos bebês anencéfalos, que podem não ter mais o direito de nascer, ter dias e meses de vida, ter o carinho dos pais, morrer e ter um enterro digno como filhos de Deus, dotados de uma dignidade humana, de um nome, uma alma, um desígnio, visto que absolutamente nada é por acaso. A vida é dom de Deus! A vida é muito mais que um composto biológico ou ausência de uma de suas partes. Lamentamos que a “beleza” do discurso, com suas mais sutis formas de convencimento e suas razões recheadas de conceitos da “cartilha que relativiza tudo em nome do direito de escolher quem pode viver e quem pode morrer”, fruto de uma razão humana egoísta, possa ser hoje tão crescente. Lamentamos que a plausibilidade de uma corte, de uma supremacia no ato de julgar, ainda que em nome da democracia e do justo direito de exercer este ato em prol do bem da nação e do cidadão, possa mostrar-se tão marcada pelas contingências ideológicas, tão visíveis em cada belo discurso, em cada “oralidade agradável”. Porém, o mistério da vida está para além de toda e qualquer justificativa de que ela deva estar sob o direito arbitrário de uma minoria. Eu acredito nos nossos Magistrados e dedico a eles todo respeito e veneração como representantes legítimos do povo, porém, vejo-me cada dia mais necessitado de me colocar de joelho e rezar, interceder... É Páscoa do Senhor! Nós, povo de Deus, Católicos, desejamos que esta Páscoa também seja um “direito” que se estenda aos indefesos.

De próprio punho...

Antonio Marcos
Imagem: Moysés Azevedo e Maria Emmir, diante da Cruz do Senhor, em oração, Tempo da Páscoa.