2011-07-21

Posso ver o Teu milagre


Quem teve – ou ainda terá - a oportunidade de ir ao Festival Halleluya (14ª edição, 2011) certamente, assim como eu, foi impactado com aquela gigantesca obra de Deus nas suas melhorias de estruturas de forma significativa, profissional e atraente, sobretudo, na criatividade de novas oportunidades para atrair à Pessoa de Cristo as diferentes formas de vida nos seus aspectos sociais e culturais, dando especial atenção aos jovens, os mais necessitados em nossos dias de encontrarem o verdadeiro sentido de suas vidas, o Evangelho e sua radicalidade, sua proposta de felicidade. No Halleluya esta proposta se apresenta na realidade daquilo que “cada um curte”, mas sem jamais perder a essência, o anúncio de Jesus.
“Os críticos católicos”, infelizmente, ainda se recusam a acreditar que “eventos de massa”, assim como o Halleluya, tragam benefícios evangelizadores, alcancem vidas, transformem pessoas e as levem a um engajamento cristão pós-evento. Podemos falar de ingenuidade crítica, embora não totalmente desconsiderável. Imaginemos a mudança ao longo dos anos do que ocorreu entre o “Fortal” (Carnaval fora de época que acontece paralelo ao Halleluya e que ainda agoniza) e o Halleluya, o impacto na sociedade, na Igreja e no calendário cultural do Estado do Ceará. Espera-se quase 1 milhão de pessoas nos dias do Halleluya e apenas 400 mil no Fortal, o que antes era o contrário, mas esperá-las não para dar-lhes “álcool e falsa alegria”, mas Jesus Cristo, a embriaguez do Seu amor.
Evangelização não é número, mas abertura do coração diante do anúncio, e o Halleluya, evidentemente, não alcança a todos, mas dá a oportunidade para que muitos conheçam o sentido que move aquele empreendimento: Jesus Eucarístico, as confissões, o anúncio da Verdade pessoa a pessoa, os espaços de serviço à sociedade e de promoção vocacional, as pessoas que servem, as estruturas, as apresentações artísticas, enfim, o mundo que é a “graça operante” do Halleluya. Tudo constitui os primeiros passos necessários da pesca! A canção da Adoração a Jesus Eucarístico no primeiro dia dizia no refrão “Posso ver o Teu milagre”, e é verdade, podemos ver o milagre de Deus no Halleluya, no tamanho daquela obra, mas, de forma particular, na vida de muitos que são alcançadas pelo amor de Deus. Bendito seja o Seu Santo Nome para sempre. Temos motivos para “soltar a voz”: o milagre de Deus.
Antonio Marcos 

0 comentários:

Postar um comentário