Os discípulos de Emaús representam o drama humano

Escrito Por Antonio Marcos na domingo, maio 08, 2011 Sem Comentários

Os discípulos de Emaús (cf. Lc 24,13-35), decepcionados pela morte do mestre, haviam deixado Jerusalém, abandonaram-na sem mais esperanças. Era profunda a frustração pelos sonhos e projetos não concretizados, pelas realizações inacabadas, coisas tão sujeitas a acontecerem conosco. Quem de nós nunca viveu estes sentimentos? Quem de nós nunca sentiu a dor de um sonho desiludido e, às vezes, extirpado com violência pelos acontecimentos, pelos fatos com os quais não contávamos.
Sim, os discípulos de Emaús representam o drama humano, os dias nos quais nos encontramos com suas labutas existenciais. Mas, a frustração dos discípulos consistia numa dor maior exatamente porque emanava de uma relação entre “seguidor e mestre”, entre duas pessoas que mantinham uma relação carregada de esperanças por uma vida livre da opressão, pela paz social e política, pela possibilidade palpável de conhecerem o verdadeiro Reino de Deus. Porém, mataram o mestre e agora só resta abandonar a cidade da esperança, da paz.
Eis que surge a luz no fim do túnel, a Palavra de Deus. Bendita luz da qual nunca devemos nos afastar porque ela não ofusca, mas ilumina, abre caminhos, devolve a fé e a direção da vida, aquece o coração e o lança outra vez para o combate, para a missão e para a vida. É a Palavra de Deus que nos faz compreender o mistério da cruz e nos põe diante do Ressuscitado, Jesus Cristo. A Palavra de Deus, uma vez encontrando espaço dentro de nós, apressa o pedido: “Fica conosco, Senhor, pois já é noite e não nos deixe sozinhos!” Foi o que aconteceu com os discípulos de Emaús, culminando na partilha do pão onde seus olhos se abriram e tudo compreenderam.
Que a Palavra de Deus encontre seu lugar central nas nossas vidas. Somente ela – como dizia o Pe. Karlian (CVSh),  na homilia de sábado à noite, 07 de maio, no shalom de Fátima – pode nos tirar dos rótulos que os outros ou nós mesmos lançamos sobre nós. Rótulos com o peso de palavras de maldição. Jesus está conosco, ele se importa com nossas dores, sofre em nós, mas principalmente, nos liberta, nos salva de nós mesmos, nos abre os olhos através do alimento da Sua Palavra e da Eucaristia, o que provoca em nós novo ânimo de vida e missão.
Antonio Marcos