2011-05-24

A grandeza na pequenez


Do diálogo entre dois amigos: o médico (Marco Polo) e o mendigo (Falcão)...
Falcão fitou vagarosamente o amigo e, como se estivesse iluminado, disse: - Há dois tipos de Deus: um que criou os homens, e outro que os homens criaram. Para mim, os filósofos (Marx, Nietzsche e Sartre) não acreditavam no Deus criado pelos homens. Eles foram contra a religiosidade da sua época, que dilacerava os direitos humanos, mas não são ateus puros. Todavia não posso falar por eles
O jovem (amigo médico) pensou e inquiriu:
 - Quem somos? O que somos? Para onde vamos? Frequentemente me faço tais perguntas. Quanto mais as faço, mais me perco, e quanto mais me perco, mais procuro me achar.
Em seguida Falcão emendou:
 - Olhe para as pessoas ao nosso redor. O que você vê? Pessoas de ternos, mulheres bem vestidas, jovens exibindo seus tênis, adolescentes arrumando o cabelo, enfim, pessoas transitando.
 - A maioria dessas pessoas vive porque respira. Não perguntam mais “quem são?”, “o que são?”. Estão entorpecidas pelo sistema. O ser humano atual não houve o grito da sua maior crise. Cala sua angústia porque tem medo de ser perder num emaranhado de dúvidas sobre seu próprio ser. No começo do século XX, a ciência prometeu ser o deus do Homo sapiens e responder a essas perguntas. Mas ela nos traiu.
 - Por que nos traiu?
Primeiro porque não desvendou quem somos; continuamos a ser um enigma, uma gota que por um instante aparece e logo se dissipa o palco da existência.Segundo, porque, apesar do salto da tecnologia, ela não resolveu os problemas humanos fundamentais. A violência, a fome, a discriminação, a intolerância e as misérias psíquicas não foram debeladas. A ciência é um produto do ser humano e não um deus do ser humano. Use-a e não seja usado por ela.
Ao esquadrinhar sua inteligência, Marco Polo confessou honestamente:
 - O orgulho é um vírus que contagia a minha mente. Contagia a todos. Até um psicótico tem ideias de grandeza. Será que é possível destruir o orgulho? Não creio. Nossa maior tarefa é controlá-lo.
Para finalizar a complexa aula, voltou-se para face do jovem amigo e completou:
 - A sabedoria de um ser humano não é definida pelo quanto ele sabe, mas pelo quanto ele tem consciência de que não sabe...
Marco Polo incorporou com impacto esta frase. Precisava discerni-la, bem como todo o conhecimento que abordaram. Sua mente tornou-se um caldeirão de ideais. Resolveu que era o momento de partir. Um pouco atordoado, despediu-se de Falcão e saiu. O sol do entardecer reluzia sobre ele e projetava sua sombra sobre o solo. A sombra estava grandiosa. A distorção da imagem o convidou à autoanálise.
Sempre quis ser grande, uma estrela com astros gravitando em sua órbita. Percebeu que a busca da fama era uma tolice. Concluiu que precisava reduzir sua sombra social. Precisava aprender a encontrar grandeza na sua pequenez.
Fonte: Augusto Cury. O Futuro da Humanidade, Cap. X, 2005. (O negrito é nosso).

3 comentários:

  1. Eu li esse livro do Cury. Gostei demais! Abraços,
    Mara :)

    ResponderExcluir
  2. Sim, querida Mara, este livro de A. Cury é de uma grande preciosidade. Desde quando o conheci e o li pela primeira vez, 2006, fui sempre muito tocado pela experiência de aprendizado que ele proporciona. Realmente é uma leitura muito criativa na capacidade de nos fazer repensar a vida e nossas atitudes diante das nossas prisões do corpo e da alma. Ele me lembra sempre a expressão do Fio de Ouro, de que o rio de nossa história não está congelado, mas em processo de continuidade. Obrigado querida Mara sempre por sua presença nas minhas linhas e na minha vida.

    ResponderExcluir
  3. li é reli os livros de Do A.Cury,achei extraordinário como ele retrata cada perfil(vamos disse assim)de cada indivíduo que é escravo do sistema que a sociedade impoer. realmente me senti mais humano quando li seus livros. Abraços Antonio Marcos.

    ResponderExcluir