2011-03-10

Rasgar o coração...

É por demais oportuna a Quaresma ser iniciada cada ano com uma Liturgia da Palavra tão concreta às nossas vidas, na qual Deus pede através do profeta Joel (Cf. 2, 12-18) que voltemos para Ele com todo o coração. A necessidade de retorno é a primeira ação da graça em nós. As práticas penitenciais (jejum, a oração e a esmola) estão intimamente ligadas ao processo de retorno para Deus. Elas não existem para serem praticadas por elas mesmas, mas para serem nas nossas vidas instrumento que nos ajude a encontrar o caminho para Deus.

Rasgar o coração é não querermos que permaneça em nós o que não condiz com a vontade de Deus. Rasgar o coração é tantas vezes uma atitude silenciosa, um processo interior de quem tem consciência que precisa melhorar, precisa dispor o coração e as forças da alma para que a graça opere uma transformação. Transformação essa que é processo, que é “caminho no deserto”, e caminhar no deserto nunca foi algo fácil. Porém, os “desertos da vida cristã” podem ser bem mais penosos que os físicos, porque a secura da alma, quando não alimentada por Deus, pode matá-la de inanição espiritual e de sentido de vida. Rasgar o coração é também lutar, ainda que com sofrimento, para que o coração saia daquelas “prisões mais duradouras e destruidoras” em nós, talvez o adultério, a mentira, a masturbação, a mediocridade da vida de oração, o temperamento desequilibrado, a falta de perdão, a tristeza, o sentimento de vingança, enfim, de tantas sombrias ocasiões de infelicidade.

“Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará” (Cf. Lc 9, 22-25). Tomar a “própria cruz” e seguir o Senhor é também não nos debruçarmos nas nossas fraquezas e impossibilidades, mas prosseguirmos o caminho, mesmo que ainda “enfermos”, mesmo que as vicissitudes da vida, das relações na família e no casamento, queiram nos desanimar. É caminhando com o Senhor que nossas lepras são curadas e passamos a ter de volta a verdadeira vida. Ajude-nos, Senhor, a “rasgar o coração” e a viver a Quaresma não com tristeza, mas com o compromisso de mudança de vida, de retorno para Ti, e assim possamos contigo viver o Mistério da Páscoa. Assim seja!

Feliz tempo da Quaresma!

Antonio Marcos

Um comentário:

  1. Rasgar o coração...isso é difícil...

    Mas Deus dá a graça né!
    belo artigo amigo

    ResponderExcluir