2011-03-07

Não voltar para Deus quando nos perdemos é a pior de todas as infelicidades!


 Dentre as muitas coisas profundas e tocantes que Eveline Montenegro (Vevé), partilhava no curso de cura interior no Renascer 2011, recordo aqui brevemente de quando falou da necessidade de termos uma relação direta com o Senhor, para isso temos de chegar à amizade. A amizade faz com que nos conheçamos e também passamos a descobrir quem é o amigo com quem nos relacionamos.

Uma verdade fundamental da qual não podemos nos distanciar: “Precisamos sempre de cura interior!”, dizia a Vevé. Por não trilhar esse caminho de libertação é que vemos muitos irmãos que, após servirem ao Senhor, após terem feito a experiência com o amor de Deus, de repente se perderam. Sem julgamento às suas consciências e atitudes, porque somos todos fracos e capazes do pior, mas a ingenuidade de nunca desconfiar de si mesmo é mortal. Porém, nunca podemos esquecer isto: “Não voltar para Deus quando nos perdemos é a pior de todas as infelicidades!” Daí que o coração precisa de cura, não só a da alma, a psíquica, a emocional, mas também a cura da dureza de coração, da idolatria de nos deixarmos arrastar porque quem não nos motiva a nada de bom, inclusive a voltar para a luz. 

O processo do autoconhecimento é, sobretudo, uma ação da graça de Deus. Ele é quem nos revela Sua face e bondade, e quando isso acontece então constato que “não sou bom”. Descubro que Deus perdoa, eu não; Deus me dá outra oportunidade, eu prefiro a vingança; Descubro que Deus se utiliza das minhas más opções para me salvar, porém, o meu orgulho de achar que dou conta de “melhorar sozinho” pode atrapalhar tudo. Muitas vezes achamos que o sofrimento vem para nos destruir, e na verdade é para que aprendamos a depender de Deus.

O sofrimento faz parte de nossa existência, porque sabemos da sua origem  primeira, do não dado a Deus. O sofrimento cruza o nosso caminho mais cedo ou mais tarde, inevitavelmente, mas é a confiança na graça de Deus, o nosso sim a Ele que nos fará compreender que só o Seu amor é a única segurança. O mais interessante – afirmava carismaticamente Vevé – é que a grande cura interior se dá na vida, nos acontecimentos, nas dores e alegrias de cada dia. Não percamos a oportunidade desse processo de salvação que é o caminho da cura interior, a partir das vicissitudes da vida. Não façamos esse caminho sozinhos, o da cura interior, mas com o Senhor para que de fato vivamos na Sua presença e para sempre.

Antonio Marcos

Um comentário:

  1. Uma vez ouvi uma pregação do Dunga que dizia: "Somos curados ao longo do caminho" como os 10 leprosos que ao se encontraram com o Cristo que proclamou a cura e disse para irem e não falarem a ninguém o que tinha acontecido e enquanto caminhavam suas feridas iam sendo curadas e ele se admiravam entre si, mas apenas um voltou para agradecer... as vezes por acharmos que já estamos curados pensamos não precisar voltar a Cristo...
    Pensar que daremos conta sozinho é não reconhecer que precisamos de Cristo." Deixar nos arrastar por quem não nos motiva a nada de bom, inclusive voltar a luz" esta frase tocou-me profundamente, quantos de nós nos perdemos por ideologias e influencias não cristãs e assim nos voltamos para a vida velha, repleta de pecado, nos afastando do porto seguro, achando que temos o conhecimento necessário para não nos afogar e de repente sem nos darmos contas já estamos com a água ao pescoço...Ser de Deus é permanecer em Deus,é caminhar mas voltar sempre para agradecer... Se se caminha sem gratidão caminha-se sem amor a Deus, ao próximo e si mesmo.

    ResponderExcluir