Os amigos que nos levam para Deus

Escrito Por Antonio Marcos na quinta-feira, dezembro 16, 2010 Sem Comentários

Conta-se que o papa João Paulo II sempre amou os jovens. Sua amizade para com eles não foi uma conquista apenas do pontificado, mas o fruto de uma vida inteira dedicada ao pastoreio jovem. Eu mesmo testemunho essa verdade em tudo aquilo que li do santo padre, quer nas suas biografias, quer nas obras pessoais.
Das minhas leituras me recordo bem do fato em que o jovem Pe. Karol Woityla, quando precisou comparecer com urgência diante do seu Bispo, na ocasião em que lhe seria comunicado a escolha do Santo Padre para que fosse bispo, encontrava-se acampado com os jovens nos montes da cidade de Cracóvia. O mesmo não gostava de ser interrompido quando se tratava da convivência com os jovens.
A personalidade e o carisma de Karol eram contagiantes. Antes mesmo de ser padre o seu ideal como jovem universitário era se dedicar ao teatro na esperança de manter viva a história e a cultura do seu país, por sua vez ameaçadas pela invasão nazista e ainda por ver os intelectuais e os nobres serem deportados para os campos de concentração. Karol mobilizava os amigos jovens idealistas e se encontravam às escondidas no subsolo da cidade. Foi exatamente nessa experiência que um dia um amigo lhe disse à queima roupa: “Karol, você é um jovem tão entusiasta, tão cheio de vida, por que não vai ser padre?” Esta pergunta perpassou não só o coração de Woityla, mas também o tempo. O fato é que ele nunca havia pensado nessa possibilidade e, embora tivesse reagido com tranquilidade, seu coração e sua alma nunca mais foram os mesmos.
Quando sua vocação já havia se concretizado, Karol chegou a afirmar, fazendo memória à pergunta do amigo: “Não era através do teatro que eu tornaria o mundo melhor, mas sendo padre!” Esta experiência me fez pensar na diferença que faz em nossas vidas os amigos que nos levam para Deus, exatamente quando parecem enxergar o que não vemos. Bendito seja Deus por esse jovem amigo na vida de Karol. Também isto explica o fato de ter João Paulo II insistido tanto para que os jovens falem de Jesus para os outros jovens, falem do tesouro que encontraram, façam perguntas, apresentem a proposta do Evangelho e nunca deixem de fazer um convite, ainda que seja desafiante, pois os jovens gostam de quem lhes apresenta altos ideais.
Antonio Marcos