As sequelas de um câncer social chamado preconceito!

Escrito Por Antonio Marcos na sexta-feira, novembro 05, 2010 2 comments

Tamanho é o meu sentimento de repúdio a senhorita Mayara Petruso, que propagou na internet declarações extremamente preconceituosas aos nordestinos, como reação da insatisfação à expressiva votação nos Estados do Nordeste à candidata Dilma, tirando assim a possibilidade do seu candidato, José Serra, de ser eleito.

Através do seu Facebook e Twitter incitou a violência ao ponto de pedir que “se mate um nordestino afogado”, a quem os considerou “vagabundos que não querem trabalhar para serem sustentados pelo Governo”. Será mesmo que o povo nordestino é vagabundo? Outros na internet ajudaram a propagar essa inadmissível atitude preconceituosa de instigar a morte dos nordestinos, um atentado aos Direitos humanos. Esperamos mesmo que a Polícia Federal investigue o caso e responsabilize processualmente os culpados, especialmente a Sra. Mayara Petruso que, como aluna do Curso do Direito (SP), deveria ser a primeira a defender os Direitos humanos. No entanto, sei muito bem que a aluna é, de certa forma, a intérprete de muita gente que pensa como ela e não tem coragem de tornar seu pensamento público, embora a convivência o demonstre.

Esse é um lado obscuro da vida real nas nossas metrópoles de gente bonita e inteligente. Quem não se lembra do índio queimado por universitários enquanto dormia numa praça, em Brasília? Quem nunca ouviu falar das contínuas perseguições aos nordestinos nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e até Brasília? Basta lembrarmos os grupos punks, “Carecas do Subúrbio”, jovens brancos, de classe média e universitária, quando declararam em anos passados verdadeira perseguição de morte aos nordestinos, aos negros e aos homossexuais, uma barbaridade, um “nazismo atual”. Como não lembrar as contínuas chacinas dos mendigos de rua, muitos deles nordestinos, nessas cidades modernas? Realmente a discussão sobre os Direitos Humanos é uma pauta séria que precisa “voltar a ser debatida” nas Famílias, nas Escolas e Universidades, inclusive, no Curso de Direito de todo o país, lamentavelmente.

Esse é, sem dúvida, um dos lados obscuros da internet, infelizmente. Está na moda o “crime de Bullying”. Tais atitudes mostram as sequelas de um câncer social chamado preconceito e a não tolerância com o diferente! Por outro lado, exige-se uma ação contundente contra as pessoas que praticam crimes na internet na difamação das pessoas, o “Cyberbullying”. O desejo doentio por sairmos do anonimato e o direito à liberdade de expressão parecem mesmo nos deixar sem o que dizer ou no direito de dizer o que quiser; é, na verdade, a “anorexia do pensar” e a total falta de noção de respeito e ética para com o outro, para com um povo, uma ração ou um grupo diferente. Somos avessos à Ditadura, mas usamos a liberdade de expressão para macular pessoas inocentes, para levantar a bandeira do ódio, do racismo e do preconceito. É lamentável, mas é a realidade, e isto não está simplesmente nos outros, mas também dentro de nós!

Antonio Marcos