2010-09-30

Que a Sagrada Escritura seja para ti como os teus colares e brincos!


“Toda a vida de Jerônimo se distingue por um amor apaixonado pelas Escrituras, um amor que ele sempre procurou despertar nos fiéis: ‘Ama a Sagrada Escritura e a sabedoria amar-te-á; ama-a ternamente e ela guardar-te-á; honra-a a receberás as suas carícias. Que ela seja para ti como os teus colares e brincos’ (Ep. 130,20). E ainda: ‘Ama a ciência da escritura, e não amarás os vícios da carne’” (Ep. 125,11) (Papa Bento XVI, Catequese, 14 de novembro de 2007).

Significativa é a expressão de São Jerônimo: “Que a Sagrada Escritura seja para ti como os teus colares e brincos”. Por que fez São Jerônimo esta comparação? É mais provável que se referisse à importância do adorno para a mulher, para a beleza feminina (cf. I Tm 2,9: “As mulheres vistam-se decentemente e se adornem com modéstia e sobriedade”). Porém, aqui São Jerônimo nos leva a compreender que o adorno do nosso interior constitui a maior beleza que podemos expressar, pois, extraordinária beleza é sermos conhecedores e amantes das Escrituras. É de dentro que ecoa o que mais encanta e dignifica os outros (cf. I Pd 3,3). É uma pena que muitos tenham interpretado erroneamente o texto bíblico condenando os adornos femininos, o que não é isso que faz as Escrituras. Daí a comparação de São Jerônimo: “Que ela seja para ti como os teus colares e brincos”. Isto é lindo e profundo, pelo menos para mim!

Há mesmo uma carência em nossos dias por encontrarmos homens e mulheres que demonstrem com simplicidade conhecerem e amarem as Escrituras. Não falo de intelectualismo, conhecimentos acadêmicos puramente racionais, mas um conhecimento, sobretudo, de quem cultiva uma experiência de intimidade com Deus e com Sua Palavra. Daí que a maior força de orientação para as nossas vidas provém da nossa amizade com Deus e não simplesmente do grau de conhecimento intelectual. Conhecer, estudar, pesquisar, tudo isto é importante e necessário, mas não pode ser o parâmetro, inclusive para humilhar os outros e nos sentirmos mais santos. A beleza feminina é um dom de Deus e quando seus adornos são modestos e sóbrios ajudam na expressão dessa beleza; assim, quando uma alma se deixa alcançar pelas Escrituras, há mudança de vida, expressão de felicidade.

“Ama a ciência da escritura, e não amarás os vícios da carne”. A Palavra de Deus age em nós, penetra no mais profundo, é luz nas nossas trevas, é força e direção. A Palavra nos revela a vontade de Deus, Seus desígnios de amor a nosso respeito, Seu projeto de felicidade. Foi esta Palavra que trabalhou tanto o forte temperamento de São Jerônimo e o fez “sábio e sereno”. Deixemos que a Escritura trabalhe em nós os vícios da carne, nos ajude a vencer o pecado e a viver na força da graça; que a Escritura elimine o hiato que existe entre o que conhecemos e o que vivemos. É um processo, não desanimemos! É esta mesma Palavra Divina que nos ajudará na nossa lentidão e nos fará transbordar a verdadeira beleza.

Antonio Marcos

Um comentário:

  1. "que a Escritura elimine o hiato que existe entre o que conhecemos e o que vivemos."

    Que artigo maravilhoso,Ant.Marcos!

    ResponderExcluir