Sozinho eu não posso mais!

Escrito Por Antonio Marcos na terça-feira, agosto 31, 2010 Sem Comentários

Bem sabemos que não precisamos fazer grandes coisas para que nossas trevas sejam iluminadas, mas somente permitir que a ação do Espírito Santo aconteça no nosso coração. A espiritualidade chama de ser dócil ao Espírito Santo. Porém, perguntamo-nos: e isto é fácil? Nem sempre como deveria ser! Já não falo dos que estão “distantes da vida cristã”, mas dos que, pelos menos, acreditam estar a caminho.
Para nós, os católicos, o Espírito Santo além de ter sido nos dado no ato do Batismo, é renovado em nós pela vida Sacramental, graças à Igreja, Corpo Místico de Cristo, dispensadora das graças da Salvação. No entanto, tudo implica a nossa colaboração, a ação deliberada de nossa vontade. Deus não pode forçar quem não quer mudar; e quem não quer mudar acaba encontrando desculpa em tudo ou culpando os outros e as circunstâncias. O certo é que não somos capazes por nós mesmos de perscrutar nossos abismos, trevas e pecados, mas somente a graça de Deus pode realizar isto em nós, não há outro caminho. E bem sabemos que enxergar a nossa fraqueza sem os olhos de Deus é nos autocondenarmos. O fato é que nem mesmo a nossa permanência na Igreja, as nossas obrigações religiosas, as nossas funções e ministérios podem, por eles mesmos, nos converter. Tudo é um processo que requer a indispensável comunhão que se vai dando entre vida e graça de Deus.
O que aconteceu na Sinagoga em Cafarnaum (cf. Lc 4, 31-37) expressa bem essa realidade. Aquele homem estava ali presente e, quem sabe, era assíduo, cumpria suas obrigações religiosas corretamente, mas estava, ao mesmo tempo, possuído de um espírito impuro, se sabe lá desde quando. Narra o evangelista que a presença de Jesus e o seu ensinamento com autoridade provocaram uma manifestação do espírito impuro e sua expulsão da vida daquele homem. A luz havia alcançado aquele coração. A simples presença de Jesus foi o suficiente para a libertação porque as trevas já não podem coabitar com a luz. Quando verdadeiramente Jesus alcança nossa vida queremos mudar, as coisas em nós reagem, as nossas trevas se manifestam. O ensinamento com autoridade foi capaz de comunicar o poder da graça, da cura e da libertação.   
Estamos, de fato, vivendo um tempo de muitas informações e até formações religiosas. Hoje não nos faltam tantos conteúdos sobre a fé e até podemos dispor de leituras e do dom para escrever, pregar, ensinar, no entanto, nem sempre significa que estão nos libertando o tanto quanto deveriam. O que nos falta? Talvez, em grande parte, falta-nos um ensinamento com autoridade. Não acredito ser culpa da formação em si, levando em conta os excessos, mas a falta de convicção e coerência de vida de quem ensina, como também, da parte de quem recebe a formação, a abertura do coração para se deixar alcançar pela graça de Deus, livrando-se do engano de que o Espírito Santo – que age como quer e quando quer -, realiza em nós uma ação mágica, o que não o é, mas nos liberta e santifica. Vem Espírito Santo e me ajuda a tornar disponível o meu coração para que o Sangue de Jesus expulse meus espíritos impuros! Vem Espírito, Vem Espírito, sozinho eu não posso mais! 

Antonio Marcos