O mundo e nós somos o que somos porque a Igreja existe!

Escrito Por Antonio Marcos na sábado, julho 03, 2010 Sem Comentários

O Domingo da Solenidade de São Pedro e São Paulo é um dia de reflexão e oração  pela Igreja, a nossa Igreja. Recordamos neste dia a grande família de batizados, a identidade, a missão e os desafios da ecclesia como alvos da providência divina. Também este dia é, por excelência, dia de oração pelo papa, pelo sucessor de Pedro. Nunca o papa precisou tanto de nossas orações como nos nossos dias, portanto, rezemos por ele, por sua missão junto ao rebanho numeroso lhe confiado. Hoje é um dia para renovarmos a nossa fé em Cristo e na Igreja e reafirmarmos a nossa fidelidade, não obstante nossos pecados e omissões. Espelhados na vida de São Paulo, peçamos a Deus a graça de renovarmos a nossa consciência missionária, a confissão da fé e testemunho, acima de tudo.
O Concílio Vaticano II é quem melhor fala desse mistério, que é a Igreja, nas suas alegrias e dores: “A Igreja ‘continua o seu peregrinar entre as perseguições do mundo e as consolações de Deus’, anunciando a cruz e a morte do Senhor, até que ele venha (cf. 1Cor 11,26). Mas encontra força no poder do Senhor ressuscitado, para vencer, na paciência e na caridade, as próprias aflições e dificuldades, internas e externas, e para revelar ao mundo, com fidelidade, embora entres sombras, o mistério de Cristo, até que por fim ele se manifeste em luz total” (LG, 8). Muitos têm se envergonhado da Igreja ao contemplarem suas fraquezas e alguns a deixaram até, mas a grande maioria, com alegria e fidelidade, permanece dando a vida e celebrando a festa cristã, mesmo que o mundo nos ridicularize e as tribulações nos cerquem por todos os lados. A Igreja existe para a salvação do mundo e não para a sua condenação. Nada se compara à alegria abundante de quem fez a feliz descoberta do dom de ser Igreja, católico, batizado e em comunhão no serviço e na evangelização com os todos os irmãos.
Sabemos que, com muita facilidade, deixamos a fé esmorecer, nos afastamos da vida sacramental, preenchemos nossa mente e coração com outras doutrinas e filosofias e a reta consciência fica prejudicada por não protegermos e cultivarmos o dom da fé. Afastar-se da Igreja é um retrocesso doloroso e pode ser um grande risco para nós e para a nossa salvação. Ninguém sabe com tanta segurança nos conduzir à felicidade verdadeira do que a Igreja. Que as suas sombras históricas, os pecados e o contra testemunho de muitos de seus filhos não nos desanimem. Em nossas casas, famílias, na nossa Comunidade, no grupo, na experiência religiosa existem sempre as fraquezas, mas não são maiores que as graças, as virtudes e os dons. Bendito seja Deus pela Igreja, Corpo do Seu Filho, continuadora da missão de salvação, mãe enrugada, mas sábia e também santa. Deus abençoe o Papa Bento XVI, sucessor de Pedro, pela sua coragem em testemunhar e profetizar em dias sombrios, o dom da fé, da caridade e da unidade. Bendito seja Deus pela obra incansável de evangelização, a exemplo da vida do Apóstolo Paulo. Amemos a Igreja e vivamos o nosso batismo com alegria! O mundo e nós somos o que somos porque a Igreja existe!
Antonio Marcos