Férias e descanso, encontros e escolhas!

Escrito Por Antonio Marcos na quinta-feira, julho 01, 2010 Sem Comentários


O Papa Bento XVI falou de forma linda e profunda sobre as férias a que todos nós temos o direito de viver. São necessárias, mas que também têm um objetivo nas nossas vidas que não se restringe somente ao lazer e descanso. Disse o papa: “Desejo que os encontros com a natureza, com pessoas novas, com os frutos da criatividade humana, sejam uma ocasião não só de recuperação das forças físicas e de desenvolvimento intelectual, mas também de um contato mais intenso com Deus e de reforço na fé” (Ângelus, 27 de junho).
Também as férias precisam da criatividade humana para a diversão, para a promoção dos encontros, não com coisas, não com o mundo virtual unicamente, mas com as pessoas que estão conosco. Isso se faz necessário quando na maior parte dos meses o tempo foi consumido com o trabalho e os estudos, comprometendo assim as relações com os amigos e com os familiares. Portanto, férias também têm a sua dimensão familiar, ou seja, o exercício de aprender a estar em casa de forma livre, alegre, com as crianças, conversando, fazendo algum trabalho caseiro ou simplesmente convivendo, fortalecendo os laços, ouvindo mais e conversando com os pais e os familiares. Tem gente que quer logo se livrar dos seus quando chegam as férias e isso pode ser uma fuga para a convivência, para a reconciliação e o fortalecimento dos laços. 
As férias exigem escolhas criativas para com as opções de lazer, para que não coloquemos nossa vida em situações de risco de vida e também da fé, dos valores e da nossa própria dignidade humana. A viagem, a internet, o cinema, a praia, o shopping, as compras, o barzinho, a casa do amigo, a aventura e os desafios do lazer, tudo isto pode ser muito bom nas férias, mas também precisam de discernimento. As responsabilidades com a vida e a fé permanecem as mesmas sempre e em qualquer lugar. Não falo de puritanismo, mas da consciência de quem nós somos. Isso é sempre um desafio, mas é ele que nos faz lutar pelo bom e pelo belo, pelo que nos enobrece e dignifica.
Quando o papa fala do encontro com as pessoas novas, isso de fato nos enche de grande alegria porque confirmamos de como é bom conhecer pessoas novas, mas também aprender a cultivar os laços já existentes. E, falando de encontro, não podemos esquecer o encontro com Deus, do que o papa chama de “contato mais intenso com Deus e de reforço na fé”. As férias não podem ser ocasião de descuido da espiritualidade, da nossa relação com Deus, daí a o tempo para a Leitura e meditação da Palavra de Deus, um tempo para estarmos recolhidos em sua presença eucarística, a leitura de um livro que cultive em nós a fé e os valores evangélicos e, é claro, a participação na Santa Missa. As férias são maravilhosas, justas e indispensáveis, que também sejam construtivas, promovam encontros e frutos de escolhas santas. Felizes férias para todos nós!
Antonio Marcos