O futebol ensina muito sobre os sentimentos coletivos!

Escrito Por Antonio Marcos na segunda-feira, junho 28, 2010 Sem Comentários


Então, o futebol nos atrai, o Brasil nos conquista! Não sei se o brasileiro está plenamente confiante na nossa Seleção, pois parece que “queremos ver cada jogo para crer” que iremos vencer a partida, de que seremos campeões. É tão doloroso o mata-mata, ou seja, essas fases que se iniciam com as oitavas, depois as quartas de final, as  semifinais e, por fim, a grande final de onde sairá a seleção campeã.

Cada partida o coração fica na mão, a gente sofre, uns gritam, o nervosismo toma conta e as unhas desaparecem, outros bebem demais, uns perdem a voz, outros dizem o indevido com a  mãe dos jogadores e do juiz, dos assistentes, enfim, é um sofrimento cada partida, cada minuto de jogo. Para alguns uma partida de futebol de nossa seleção numa copa do mundo nada significa; para outros, é quase a vida. Uma senhora dizia perto de mim: “Torcer por quê, não ganho nada com isso e mesmo que eles sejam campeões o meu salário não vai aumentar!”. É verdade, ela tem razão, o salário não vai aumentar e, certamente, os problemas do país permanecerão os mesmos, mas não se trata disso, mas da capacidade de viver coletivamente a alegria ou a dor.  Estamos tão centralizados em nós mesmos e procurando motivos para nossas frustrações que uns até torcem pelo time adversário. Que estranho! Pra não dizer: que profunda separação de seus compatriotas, de seu povo, de sua família. Uma contradição!

Chama-nos a atenção o fato de que quando o “adversário”, que nem se quer ainda jogou conosco e vai se destacando, ganhando, então ficamos confusos, com medo e até passamos a achar que eles serão mesmo campeões. Eles podem ser e “até merecem”, mas futebol não é merecimento, é juntar a técnica, a arte, o coração e esperar o resultado de cada partida. Parece que o nosso sucesso depende do fracasso do outro e não do nosso bom desempenho em dar o melhor, em acreditar, em colocar o coração e jogar futebol. Perder, todos perdemos e fracassamos, mas que seja depois de tentar dar o melhor e não por medo antecipado de fracassar. A alegria coletiva, esse contágio, esse clima nas ruas, nas praças, no país, no coração e na alma de cada brasileiro expressam muito de como está também a nossa capacidade de viver o sentimento coletivo. Também o futebol, quando equilibradamente, move a um só sentimento, faz-se escola. Vamos Brasil! Coragem! Nós acreditamos em você, na alegria e na dor!  Vamos vencer!

Antonio Marcos