2010-06-08

A amizade exige tempo, purificação e fidelidade à verdade!

Mesmo com as impossibilidades e com todos os desafios que comporta o dom da amizade, Deus vai nos dando a graça da escolha gratuita e a criatividade de darmos provas de amor um ao outro, simplesmente sendo nós mesmos. Aprende-se muito com o amigo, através do amor a Deus que se concretiza na discrição, na alegria, na transparência em sermos quem somos, sem máscaras e sem mesquinhez no coração. A amizade requer o cultivo do relacionamento e a arte de ter aprendido que na relação não nos serve escondermos o que constitui o nosso potencial interior e a nossa verdade, aquilo que Deus mesmo realizou nas nossas vidas ou aquilo pelo qual lutamos pra vencer e superarmos.

Somos um mistério fascinante, mesmo que tenhamos de admitir que a limitação e a fragilidade nos marquem. A amizade acontece mesmo quando é preciso tocar naquele mistério de graças como de misérias presentes no coração de cada um de nós. “Característica da amizade é a certeza de encontrar o imutável no mutável”, afirma o escritor Giuseppe. Recordo-me de uma expressão que tomei conhecimento já a alguns anos atrás, que diz: “Quero um amigo com o qual eu tenha, na sua presença, a liberdade de sentir-me fraco, ser diante dele aquilo que realmente eu sou.”

Quando nos deparamos com as fragilidades dos nossos amigos, costumamos considerar como um desafio, mas nunca deveria chegar ao ponto de nos desestimular. Acho que não é possível explicar o “por que” que aquela pessoa nos escolheu como amigo, pois é Deus mesmo cuidando, protegendo, nos dando a sua misericórdia e nos convidando à santidade. Quando procuramos a amizade não a encontramos, porque a amizade verdadeira não é objeto de procura. Acredito que é Deus mesmo que cuida de despertar em nós todo o potencial humano e sua graça utiliza-se das nossas capacidades humanas, tais como: a percepção, a intuição, o esvaziamento, humildade e a disposição para sairmos de nós mesmos e acolhermos o dom da vida de quem deseja estreitar a relação conosco. Quando caçamos a amizade ela nos escorre pelos dedos, não a alcançamos porque ela se encontra primeiramente dentro de nós. Reconhecemos essencialmente no mais profundo do nosso coração, aquela identidade que comunga com quem começa a viver conosco o período de conquista da amizade.

Não é possível que a amizade seja autêntica e transparente quando não deixamos que o próprio coração tenha sentido a necessidade de reconhecer o outro como alguém que parece trazer consigo aquelas disposições necessárias para conosco construir uma amizade. É pobreza de coração e de personalidade chamar alguém de amigo quando ainda de fato não o é. Quem se apressa a chamar o outro de amigo quando não houve tempo ainda para o amadurecimento da escolha, da confiança e da prova do amor, não compreende de fato a amizade como um exercício que exige tempo, purificação e fidelidade à verdade, portanto, não está mesmo preparado para viver a amizade que atinge a profundidade e a maturidade, mas a vive na superficialidade.

Muitas vezes temos necessidade de evidenciar a amizade, não para celebrá-la por gratuidade, mas para fugir da sensação de angústia e dor de não termos amigos de verdade, amigos que foram conquistados, cultivados e inseridos no nosso ser mais profundo pelo próprio amor de Deus. Quem não trilha esse caminho acaba construindo amizades vulgares e medíocres, interesseiras e incapazes de permanecerem quando chega o tempo da adversidade. Nessa condição o amigo é amigo enquanto dele sempre consigo extrair algo, talvez usufruir daquilo que satisfaz as minhas próprias carências.

Temos necessidade de amizades verdadeiras que promovam a felicidade e a liberdade de ser quem somos na esperança de que Deus seja o centro e nos ajude a viver a partilha e a comunicação, e então essa amizade em Deus pode amenizar a adversidade, a dor e a solidão que tantas vezes nos pesa na alma, próprios do caminho da purificação e do amadurecimento da liberdade interior. Que o Senhor Jesus seja "o amigo de nossas almas" e nos ajude a vivermos o dom da amizade, e a vivê-la de forma autêntica, humana, divina, profética e escatológica. Que a Virgem Maria interceda por todos nós, chamados à amizade com Deus, o autor dos encontros felizes.

Antonio Marcos

Um comentário:

  1. Antonio, mais uma vez, por meio das suas palavras, Jesus vem a mim e me desfaz... me desfaz justamente para me refazer!!!
    Essas palavras são como sementes lançadas na alma e que muitos e bons frutos produzem!
    Sim, que o "amigo de nossas almas" nos ensine o que é a amizade, nos ensine a também sermos amigos!!!

    Grande abraço,
    Lara Vaz

    ResponderExcluir