2010-05-14

A simplicidade


Ser simples é difícil. A tentação universal para complicar as coisas, aliás, tem-se revelado desastrosa ao longo dos séculos, e muito daquilo que poderia ter sido sempre tão simples vai tomando proporções caóticas. Falo da maneira como as pessoas se comunicam, por exemplo. Como dizem umas às outras aquilo que pensam e sentem. Ou melhor, como dizem uma coisa e tantas vezes sentem outra. E como tudo isso pode ser tão perverso e enganador.

Ser simples é muito mais do que não ser complicado. É ser verdadeiro, é prestar atenção, é ouvir com o coração e é falar sem pretender ter sempre razão. Só uma pessoa simples é capaz de estar na vida para os outros e pelos outros, e consegue fazê-lo sem se perder no essencial. Muitas pessoas são simples na maneira de estar, de viver e de falar, e verdadeiras na única verdade que interessa, que é a do coração.

Uma pessoa simples fala de Deus com alegria e humor e deixa-nos a certeza de que não existe maior amor. Pessoa simples fala da oração e do perdão. Da verdade e da liberdade. Da paciência, do tempo e da imaginação. Deixa no ar a certeza de um Pai que nunca deixa de nos amar. Conta histórias e sabe, como sabia a raposa quando falava com o Pequeno Príncipe, que nós, os crescidos, só aprendemos a viver se alguém tiver a paciência de nos ajudar a parar e a olhar para o mundo com outros olhos.

Só se vê bem com o coração, dizia a raposa ao Pequeno Príncipe. “Aprende-se mais com os olhos do que com os ouvidos”. Que bom existirem pessoas simples e com tempo para contar histórias que nos ajudam a crescer e a acreditar que é sempre possível fazer mais e melhor.

Fonte: Pe. Nuno Tavor. O príncipe e a Lavadeira. Paulinas, 2006.

Um comentário:

  1. "Só uma pessoa simples é capaz de estar na vida para os outros e pelos outros, e consegue fazê-lo sem se perder no essencial."

    *perfeito*

    ResponderExcluir