2010-05-24

Doce alívio, vinde!

Na sequência de Pentecostes cantada por toda a Igreja neste Solene Domingo passado, ficou em meu coração ressoando como súplica esta expressão: “...doce alívio, vinde! No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem. Enchei, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!

Enquanto celebrava e rezava a Santa Missa, bendizia a Deus pelo reavivamento que fez o Espírito Santo na Igreja do Brasil nestes últimos 20 anos. Sim, novos tempos na Igreja do Brasil por meio do qual todos, pelo menos a maioria dos católicos, foi alcançada de alguma forma. Também penso como Pe. Sciadini que foi graças a RCC que a expressão batismo no Espírito Santo foi resgatada do dicionário morto.

Tem-se falado muito mal da RCC, e não precisamos esconder que tudo tenha sido sem fundamentos, claro que não, pois exageros e erros existiram, mas são incomparáveis em proporção aos frutos bons que esta árvore produziu. Poderíamos falar de tantos, mas recordo aqui apenas as Novas Comunidades e, dentre elas, de forma particular, a comunidade Canção Nova e a Comunidade Católica Shalom. Quanta alegria e gratidão têm a Igreja do Brasil pelos frutos destas duas Comunidades Novas. Particularmente, sou testemunha na minha vida e na vida da Igreja do Ceará e do Brasil, das maravilhas que operou a graça de Deus por meio do dom shalom.

Nestes dias de Pentecostes pedimos que a graça de Deus derrame em toda a Igreja a luz e a força do Espírito Santo. Renove o sim de cada chamado e de cada homem evangelizado para que outros sejam despertos da sonolência de uma vida sem Deus, na indiferença e preso às aflições desta vida. Ó Espírito Santo, vinde, Tu que és o doce alívio! De forma especial, concede este alívio à Igreja que vive um tempo de purificação no amor e na fidelidade a Cristo, na sua missão corajosa de não calar nunca diante do mal e dos enganos de uma falsa felicidade. Vem, Espírito Santo, fogo de Pentecostes, faz-nos testemunhas da paz para que sopremos sobre os outros o doce alívio do amor de Deus.

Antonio Marcos

0 comentários:

Postar um comentário